sexta-feira, 15 de junho de 2007

O Estado do Mundo: um filme em seis partes

O Estado do Mundo [um filme em seis partes, ou por outras palavras, seis curtas] inserido no fórum cultural com o mesmo nome, é a minha sugestão para o fim-de-semana. Para quem estiver por Lisboa, acho que é de aproveitar. O bilhete custa 5 euros[comprar aqui]. Até lá...
Mapa de bolso [pdf], aqui
Notícia no Sol, aqui

2 | comentários:

The White Scratcher disse...

Percebo e partilho as tuas utopias,, falta-nos muita consciencia civica,,,, parabens,,,,

tiago gonçalves disse...

só para dizer que vale a pena ir ver. até vale os 5 euros (pelo menos falando pela minha carteira)... vale o dinheiro do bilhete mas apenas metade dos filmes :| diria mesmo que esse 3 são muito bons mesmo! O Germano – Real. Vicente Ferraz (Brasil) , o One Way – Real. Ayisha Abraham (Índia), o Brutality Factory – Real. Wang Bing (China) merecem o meu destaque pela positiva. Quanto ao resto: um ( Tombée de nuit sur Shangaï (Avril 2007) – Real. Chantal Akerman (França)) chega a ser mesmo um provocação aos espectadores. Bastavam duas fotos (que não deveriam de ser grandes fotos) para o "artista" passara a sua "mensagem". Evitava de ter gasto o dinheiro da Gulbenkian a filmar apenas 2 planos (prédios de Xangai a passar publicidade) com a câmara sempre em cima de um tripé e a ouvir barulho de uns bares turísticos. dá para mandar umas c##$!lh&"$% valentes durante esses 15 minutos. Se alguém for ver hoje pode pode sair da sala que não perde nada. Quanto aos outros dois (Tarrafal – Real. Pedro Costa (Portugal) e Luminous People – Real. Apichatpong Weerasethakul (Tailândia)) não gostei mas até admito que alguém possa gostar. O português, basicamente é só dialogo e o tailandês também vale bastante pelo dialogo mas evitava de ter sido filmado com maquinas de mão...