domingo, 14 de dezembro de 2008

A cidade já não existe. Entretanto a noção de cidade sofre uma distorção sem precedentes, insistir em sua natureza primordial, seja através de desenhos, regras ou invenções, conduz irrevogavelmente da nostalgia à relevância (...) Para assegurar a sua sobrevivência, o urbanismo terá que imaginar uma nova ideia do novo (...) Temos que imaginar mil e um conceitos alternativos de cidade, temos que correr riscos desproporcionados, temos que nos atrever a ser profundamente acríticos, devemos aguentar a adversidade e perdoar a direita e a esquerda.
Rem Koolhaas

3 | comentários:

Rosa disse...

"A cidade já não existe"?
Saiam sempre pela porta da frente do vosso prédio e aproveitem para dar uma volta ao quarteirão.
E se já não houver porta da frente, e se já não houver quarteirão, então a situação urbana é muito grave.

[Nunes da Silva dixit]

PG disse...

E a falta que esse risco vai fazendo aqui por Ourém.. Abraço.

Ric Jo disse...

Temo que a minha estmada cidade de Braga seja um exemplo puro de uma cidade que já não existe. Nunca estudei planeamento urbano, mas a aberração que tem vindo a acontecer por lá está à vista para todos que queiram ver, com muita pena minha!